Você sabe quais são os enxertos ósseos e o correto para você?

O enxerto ósseo é um procedimento cirúrgico feito para reconstruir uma área óssea em que se perdeu altura ou espessura. Quando ocorre essa perda óssea nos dentes, o tratamento recomendado é o enxerto ósseo dentário. O procedimento consiste em aumentar as dimensões do osso no local, possibilitando a fixação de implantes dentários.

Tipos de enxerto:

Autógeno:

Quando o osso usado para preencher a perda óssea dentária provém do próprio paciente. Funciona desta forma: é feita uma cirurgia com anestesia local (a mesma utilizada nas extrações de sisos) no próprio consultório odontológico. Caso o procedimento seja maior ou mais detalhado, precisa ser feito em um ambiente hospitalar, com anestesia geral. Nesse caso, o enxerto é extraído da bacia, da tíbia (no alto da canela) ou da calota craniana. Então esse osso, em forma de bloco ou triturado, é retirado e realocado onde ocorreu a perda óssea. Essa técnica é a mais indicada, pois a possibilidade de rejeição do enxerto é quase nula. Pelo material ser genético, possibilita a formação de um novo osso pelo material.

Alógenos:

Caso seja impossível utilizar o enxerto ósseo autógeno, existe a opção de utilizar enxertos doados por outra pessoa: os alógenos. Nesse procedimentos, grande parte da proteína óssea morfogenética, que induz a formação do osso, é destruída e o enxerto perde um pouco seu potencial de desenvolvimento. Ele age como um andaime, um tipo de estrutura que serve para direcionar a formação óssea. Para esse procedimento, são exigidos alguns procedimentos prévios antes do paciente receber esse tipo de material. Vários testes são realizados para saber se o doador apresenta alguma doença contagiosa da qual não tenha conhecimento, como por exemplo sífilis, aids, entre outras. São os mesmos critérios que valem para a doação de qualquer outro órgão.

Xenógenos:

Mais uma opção, para quando as demais não servirem no caso do paciente. Consiste em enxertos provenientes de outra espécie. Um dos mais populares e pesquisados é o de origem bovina, que tem mais de 30 anos de análises. Há algum tempo, muitos dentistas e médicos afirmavam que esse material poderia propagar a doença da vaca louca, mas atualmente sabe-se que isso é praticamente impossível.

Geralmente, os implantes dentários só poderão ser fixados depois de passado o período de cicatrização óssea, que demora aproximadamente entre 6 e 12 meses depois de realizado o enxerto ósseo. Dependendo do caso, há a possibilidade de se fazer a fixação dos implantes logo depois do enxerto, reduzindo assim, o número de procedimentos cirúrgicos.

Durante uma avaliação prévia, o dentista vai observar se há osso suficiente para suportar o implante ou se deverá ser feita a cirurgia de enxerto dentário. Essa análise consiste em exames como radiografias ou tomografias que mostrem a situação atual da estrutura óssea do paciente.

Todas as opções apresentadas têm indicações e limitações, vantagens e desvantagens. Por isso, converse com um dentista para saber o melhor tipo para o seu caso.

Um procedimento tão delicado, com tantos detalhes, deve ser feito com total segurança. Por isso, não deixe sua saúde nas mãos de qualquer um! No IBIO, todos os pacientes que passam pelo procedimento de enxerto ósseo são operados com conforto e segurança. O IBIO também conta com profissionais altamente especializados e qualificados para tornar a cirurgia de enxerto segura e eficiente. Cuidamos de você em uma estrutura hospitalar completa e com os equipamentos e as técnicas mais modernas.

Marque sua avaliação no IBIO e comprove a qualidade e eficiência de quem tem tradição em enxertos ósseos! Deixe seu número nos comentários e entraremos em contato para marcar sua avaliação gratuita no dia e horário mais confortáveis para você.

Marque uma avaliação. Volte a sorrir com segurança e conforto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *